Tipos de feedback: quais são e quando usar?

tipos-de-feedback

Empresas de sucesso precisam de times alinhados, engajados e compromissados com uma trajetória de constante aprimoramento. Para que isso ocorra, existe uma ferramenta poderosa à disposição dos gestores.

Trata-se do feedback. E o uso dele no dia-a-dia das empresas é indispensável. Afinal, ele indica a gestores e colaboradores os comportamentos e tendências que podem ser mudados e o que deve ser reforçado, a fim de melhorar o desempenho de toda a equipe e garantir resultados cada vez melhores.

Pessoas não são organismos estáticos. Elas têm a habilidade de crescer, mudar comportamentos e atitudes, implementar formas mais eficientes de realizar suas tarefas, colaborar com processos mais otimizados.

Empresas são feitas de pessoas. Uma vez criado um ambiente de desenvolvimento contínuo, elas crescem e fazem a organização crescer. E tais ambientes não podem prescindir de uma cultura de feedbacks constantes.

Neste artigo, falaremos mais sobre a poderosa ferramenta dos feedbacks e como eles podem ser utilizados na rotina de sua empresa. Confira!

Tipos de feedback

Antes de definirmos os tipos existentes, precisamos apontar algumas práticas prejudiciais, que infelizmente ainda ocorrem. É imperativo reforçar que feedback NÃO é:

  • uma situação intimidadora e exaustiva, em que o gestor aponta todos os “defeitos” dos colaboradores;
  • nem uma situação necessariamente séria e formal, que precisa sempre ser planejada com antecedência e não rouba tempo de produtividade.

Feita a ressalva, passemos às diferentes classificações de feedback. Existem dois principais critérios que influenciam o tipo de feedback a ser dado. Esses critérios são:

  • O objetivo do feedback, que pode ser positivo ou construtivo
  • A formalidade do feedback, que pode ser forma ou informal.

Vamos agora aprofundar nos feedbacks positivos e nos construtivos.

Feedback positivo

Tem o objetivo de reforçar comportamentos positivos, como atitudes proativas, demonstração de determinadas habilidades ou resolução de algum problema. Ao reconhecer atitudes que impactaram diretamente a empresa, o gestor reforça o que se espera de um colaborador e incentiva a repetição de tais comportamentos.

O feedback positivo proporciona diversos resultados. São eles:

  • colabora com a motivação do profissional, que percebe seu esforço valorizado;
  • incentiva o colaborador a repetir a ação que gerou o reconhecimento;
  • dissemina práticas positivas no ambiente da empresa, pois incentiva outros profissionais a adotar o mesmo padrão de comportamento que foi valorizado pelo gestor.

Os líderes e gestores devem aproveitar as oportunidades que surgem para dar feedback positivo ao time, a fim de gerar os efeitos positivos elencados acima.

Feedback construtivo

Essa modalidade tem o objetivo de promover mudanças de comportamento. A conversa é conduzida de forma a apontar os aspectos que devem ser melhorados para que o colaborador, ou o time, alcancem um nível superior de desempenho.

Isso não significa que a abordagem deva ser negativa. O foco é sempre na solução e em apontar um caminho que leve à melhoria. É importante ressaltar os erros, mas não tratá-los como um estigma, e sim como pontos de desenvolvimento.

Sob essa perspectiva, é importante reforçar as qualidades do colaborador e apontar como ele contribui para o sucesso da equipe. Porém, não se deve perder de vista a necessidade de melhorias e de ajudar o profissional a construir um caminho para que isso aconteça.

Pesquisa realizada pelo LinkedIn mostra que os mais jovens tendem a valorizar essa modalidade de feedback. Elas entendem que essa ferramenta é uma grande aliada, pois auxilia na correção de rumos, na melhoria do desempenho e no caminho para voos mais altos na carreira.

O feedback construtivo deve, na verdade, se parecer muito mais com o feedback positivo do que com um retorno negativo. Ofensas ou críticas desproporcionais são prejudiciais e devem ser evitadas.

Nos próximos tópicos, falaremos sobre os graus de formalidade do feedback.

Feedback informal

Sempre que o gestor, no dia a dia da empresa, expressa sua avaliação das tarefas ou atitudes de seu grupo, temos um feedback informal. Seguem alguns exemplos:

  • elogio realizado quando o colaborador entrega uma tarefa bem-feita;
  • observações feitas quando o chefe solicita a reformulação de um projeto;
  • e-mail parabenizando a equipe pelo resultado de uma tarefa ou de um conjunto delas.

O feedback informal não interrompe a rotina de trabalho e nem prejudica a produtividade. Ele pode acontecer de maneira sutil ou até mesmo involuntária; é o caso do gestor que mostra, com um simples olhar, que desaprova a forma do colaborador se expressar em uma conversa com um cliente, ou quando dois funcionários estão dispersos durante uma reunião.

Sendo assim, o feedback informal pode ser realizado a qualquer momento e se trata de uma ferramenta importante para tornar o grupo ainda mais motivado ou realinhar rapidamente o comportamento das pessoas.

Feedback formal

Entre os tipos de feedback, esse é aquele que vai tomar um pouco mais de tempo, pois deve ser marcado para um determinado dia e horário e ser planejado com antecedência.

Essa modalidade contempla uma reunião individual entre colaborador e gestor, com foco nas questões relevantes para o desenvolvimento profissional do primeiro. Ao final de um projeto, por exemplo, o feedback pode ser realizado em conjunto com todos os envolvidos.

No entanto, mesmo exigindo esse tempo de preparação, o feedback formal não deve ser visto como um entrave à produtividade. Aliás, muito pelo contrário!

Ele aponta caminhos para eliminar os atuais gargalos e mudar atitudes que travam a performance individual ou de um grupo.. Embora exija um investimento maior de tempo, seu efeito deve maximizar os resultados posteriores.

Cuidados na realização do feedback

Sempre que se fala em feedback construtivo, por exemplo, deve-se considerar a necessidade de planejamento, com um roteiro elaborado com antecedência e com questões trabalhadas em profundidade, permitindo a identificação das verdadeiras causas dos problemas e a busca de soluções apropriadas.

Uma das técnicas utilizadas para facilitar essa identificação é a dos 5 porquês. Nela, o gestor questiona várias vezes por que um determinado problema está acontecendo.

À medida que o colaborador elabora novas respostas, percebe-se uma melhora na qualidade delas. A análise deixa de ser superficial e se torna cada vez mais profunda, permitindo chegar à causa-raiz do problema e, portanto, a soluções efetivas.

Você já conhecia esses tipos de feedback? Quer aplicá-los na sua organização? Então confira quais são as melhores práticas para maximizar os resultados dessa poderosa ferramenta e criar equipes cada vez mais engajadas em sua empresa!

Mais Lidos

O que é turnover e por que ele acontece?

Chega dia 1º, o mês começa a todo vapor. Você, gestor, conhece bem suas metas e sabe que não será fácil atingi-las; precisará que sua equipe dê o seu melhor para chegar ao final do mês com uma vitória para comemorar. Você analisa os...

Continue lendo

Liderança Adaptativa: você está preparado para ela?

Liderança é um tema muito estudado por teóricos organizacionais e da administração. Um bom exemplo é o livro “O poder da inteligência emocional” que aborda 6 estilos diferentes de liderança. No entanto, há um estilo muito importante que todo líder precisa conhecer: a liderança adaptativa....

Continue lendo

RH Ágil: Metodologia Ágil para RH

Neste post você verá:De onde vem o RH ÁgilO Manifesto Ágil do RHO Manifesto Ágil do RH valoriza MAISO Manifesto Ágil do RH valoriza MENOSOs princípios de um RH ÁgilHumanos não são recursos De onde vem o RH Ágil O conceito ágil surgiu no...

Continue lendo